Homo’geneo é uma nova rubrica desta casa digital, dedicada às questões e às pessoas LGBT – lésbicas, gays, bissexuais e transgénero (e a todas as simpatizantes).
Terá como mote trazer à luz (do ecrã) o arco-íris de diversidade camuflado atrás do tradicional e daltónico cinzento que muitas/ os ainda insistem em associar ao Porto.

lgbt

A cidade está a tornar-se policromática, a sair do armário e há que mudar o nosso olhar para nos ajustarmos a esta realidade, mais clara, divertida e desempoeirada. Calha bem começarmos em maio, o mês em que um pouco por todo o mundo se assinala o o Dia Internacional de Luta contra a Homofobia e a Transfobia – IDAHO.
Esclareça-se que foi no dia 17 de Maio do demasiado próximo ano de 1990 que a Organização Mundial de Saúde retirou a homossexualidade da sua lista oficial de doenças. É um mês, portanto, em que se fala de direitos, e de direitos humanos na sua conceção mais genuína.

Este ano, o projecto Porto Arco-Íris, que é uma iniciativa da Associação ILGA Portugal dirigida à região norte do país, vai promover no Porto duas iniciativas a este propósito: no dia 17 de Maio, a inauguração de uma exposição intitulada “Berlin-Yogyakarta”, organizada pela associação polaca Kampania Przeciw Homofobii (Campanha contra a homofobia), que aborda o tema dos direitos humanos das pessoas LGBT durante a ocupação nazi na Alemanha, com uma ligação aos direitos universais neste âmbito acordados na cidade indonésia de Yogyakarta em 2006. Paralelamente, vai acontecer, no dia 21, às 14 horas, uma conferência adequadamente intitulada “Os Direitos Humanos das Pessoas LGBT – de Yogyakarta ao Porto”, onde estarão presentes representantes de organismos públicos, partidos políticos e académicos para debater o tema e, espera-se, assumir uma atitude mais comprometida para com o acolhimento da(s) diferença(s) na cidade. Ambas as iniciativas, de entrada livre e gratuita, irão decorrer na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, que desta forma se associa ao evento e à campanha contra a discriminação com base na orientação sexual e na identidade de género.

Texto: Telmo Fernandes